Explicando o Alzheimer para crianças e adolescentes

A Doença de Alzheimer pode ser confusa e desconcertante para qualquer um, e para as crianças e adolescentes pode ser especialmente difícil de entender, principalmente, porque está acontecendo com alguém que tem um papel central em suas vidas. O Alzheimer pode ter um impacto profundo na vida familiar e é importante conversar com seus filhos sobre a doença, ajudá-las a entender a doença provavelmente irá ajudar  o relacionamento com um ente querido.As crianças podem se assustar e se estressar com as reações do parente com Alzheimer, bem como com a conversa sobre o diagnóstico que vai trazer o sentimento de luto. Richard Powers, MD, professor na Universidade do Alabama diz que: “É importante explicar que o vovô pode não se lembrar do nome da criança, mas que ele ainda a ama tanto quanto o primeiro dia em que colocou os olhos nela, e que a criança precisa tentar chegar até a parte da pessoa que ainda está intacta“.



Para escolher as palavras certas para explicar a uma criança sobre um ente querido com o diagnóstico de Alzheimer deve-se em primeiro lugar considerar a sua idade e modificar a conversa para torná-la apropriado para a idade.
Com crianças mais novas você não vai necessariamente querer usar o termo doença de Alzheimer. ”Eu recomendo pais dizem algo como: ‘Vovô está tendo problemas com sua memória ou ele é incapaz de pensar como ele costumava pensar, por isso às vezes nós vamos ter que ajudá-lo com seu pensamento ou sua lembrança“, diz Barry J. Jacobs, psicólogo em Springfield, Pensilvânia. Você deve mencionar que a pessoa com Alzheimer vai ficar mais doente ao longo do tempo. Então, se o seu filho parece ter uma boa noção do que já foi explicado, você pode prepará-lo para algumas das mudanças que ele vai ver na pessoa com Alzheimer, falando mais sobre os sintomas e como tratá-los adequadamente.
Os adolescentes serão capazes de compreender mais que crianças pequenas, por isso você deve compartilhar detalhes sobre a progressão da doença de Alzheimer e as opções de tratamento disponíveis. ”Para os adolescentes, desenvolvemos um programa mais sofisticado que realmente entra na patologia cerebral“, diz Dr. Powers. ”Muitas vezes, os adolescentes vão acabar desempenhando mais na frente um papel no cuidado do avô ou avó, por isso é importante para eles saberem tanto quanto possível.”
Um outro ponto importante é tranquilizar as crianças que a doença de Alzheimer não é infecciosa. Certifique-se de entender que o cliente com demência ainda os ama e quer vê-los, mas não deve-se forçá-los a visitar se eles estão muito resistentes ou desconfortáveis com a situação.Há uma série de emoções que crianças e adolescentes podem sentir depois de ouvir o diagnóstico de seu ente querido com Alzheimer, incluindo:
- Tristeza e sensação de perda
- Confusão ou medo de mudanças comportamentais;
- Medo que a doença de Alzheimer seja contagiosa ou que seus pais possam desenvolver a doença;
- Raiva ou frustração porque eles têm que repetir perguntas ao interagir com o paciente demência ou ajudar com as tarefas de cuidado; 
- Remorso sobre a sua raiva ou frustração; 
- Vergonha dos amigos quando vivem com o cliente com Alzheimer mora em casa com ele; 
Estas emoções também podem ser expressas de maneiras que são menos óbvias:
- Se queixam de desconforto físico vago, como do estômago;
- Um mau desempenho na escola;
- Passar mais tempo longe de casa;
- Recusar-se a convidar os amigos;
Ouvir o diagnóstico de um ente querido de Alzheimer é difícil. Explicá-lo para as crianças pode ser um desafio também. Mas seguindo essas dicas e personalizá-las a sua situação específica pode ser um grande passo na direção certa.

Fonte:http://www.reab.me/explicando-o-alzheimer-para-criancas-e-adolescentes/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é defensividade tátil?

Transtorno de modulação sensorial

Disgrafia