Apps para bebês são alvo de críticas




Os vídeos da série "Baby Einstein", da Walt Disney Company, não transformam bebês em prodígios. E, apesar do que diz a propaganda da Fisher-Price, sua popular linha de aplicativos Laugh & Learn talvez não ajude os bebês a desenvolverem habilidades linguísticas ou matemáticas, segundo uma queixa apresentada à Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos.
A queixa, feita pela Campanha para uma Infância Livre de Comércio, mesma organização sem fins lucrativos que obrigou o "Baby Einstein" a recuar das afirmações sobre seu caráter didático, contesta a ideia de que aplicativos educacionais ofereçam algo a mais do que entretenimento.
Além da queixa contra os aplicativos Laugh & Learn, da Fisher-Price, já baixados mais de 2,8 milhões de vezes, a ONG apresentou uma queixa semelhante contra aplicativos para bebês comercializados pela Open Solutions.
Segundo essas queixas, as empresas propagandeiam que seus aplicativos ensinam habilidades espaciais, números, linguagem ou habilidades motoras aos bebês. Mas, afirmam os críticos, não há provas científicas de que os produtos garantam tais benefícios.
"A indústria é notória por comercializar produtos como sendo educativos, quando, na verdade, não há provas de que o sejam", disse Susan Linn, diretora da Campanha para uma Infância Livre de Comércio, em Boston.
O grupo argumenta que o uso desses aplicativos "pode até ser prejudicial para bebês". Linn afirmou que os programas podem roubar tempo de outras atividades, como brincadeiras manuais criativas ou momentos frente a frente com adultos afetuosos. Segundo ela, a Associação Americana de Pediatria recomenda que os pais evitem mídias com telas para crianças menores de dois anos.
Kathleen Alfano, diretora-sênior de pesquisas com crianças da Fisher-Price, disse que a empresa realiza amplas pesquisas "para criar brinquedos apropriados".
Stefan Babinec, executivo da Open Solutions, com sede em Bratislava, na Eslováquia, diz que o marketing da sua empresa não faz afirmações como "pegue o jogo e deixe que ele ensine tudo ao seu filho". Em vez disso, afirmou, a empresa acha que seus aplicativos "ajudam pais com bebês".
A Campanha para uma Infância Livre de Comércio apontou sete aplicativos comercializados pela Fisher-Price, junto com oito da Open Solutions, que estão disponíveis nas lojas App Store e iTunes, ambas da Apple. Os aplicativos apresentam ilustrações animadas ou em alta definição de personagens animais que convidam crianças pequenas a escutar frases ou barulhos de bichos e a apontar as partes do corpo do animal. Os aplicativos são comercializados como tendo valor educativo para crianças muito pequenas.
A página de informação de um aplicativo para iPad da Fisher-Price chamado Laugh & Learn Let's Count Animals for Baby, por exemplo, diz que o aplicativo "ensina números, a contagem de um a dez e primeiras palavras".
Russ Chupnik, vice-presidente-sênior de análise setorial da empresa de pesquisa de mercado NPD Group, disse que os pais sentem que a tecnologia tornou o aprendizado mais fácil e divertido para os seus filhos.
Em 2011, o grupo de defesa do consumidor protocolou uma queixa contra um vídeo chamado "Your Baby Can Read" (seu bebê consegue ler). Propagandas sugeriam que o produto poderia ensinar bebês com idade a partir de nove meses a ler.
No ano passado, a empresa, chamada Your Baby Can, aceitou um acordo que levou a Comissão de Comércio a arquivar as acusações de propaganda enganosa.
Agora, desenvolvedores de aplicativos estão comercializando esse mesmo tipo de programa para o aprendizado de bebês em formatos para dispositivos portáteis.
Para Linn, isso tem o potencial de aumentar o tempo que os bebês passam diante de telas, afetando seu desenvolvimento cerebral.

Fonte:  http://www1.folha.uol.com.br/fsp/newyorktimes/124821-apps-para-bebes-sao-alvo-de-criticas.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é defensividade tátil?

Transtorno de modulação sensorial

Disgrafia