Transtornos da alimentação no Autismo


Um dos problemas apresentados de forma generalizada em crianças com Transtornos do Espectro Autista (TEA) são os relacionados à alimentação. Este fato gera uma grande quantidade de consultas por parte das famílias pelas conotações evidentes de risco para a saúde e desenvolvimento da criança, porém, nem sempre se obtém as respostas corretas a estas questões.
Para abordar este sério transtorno relacionado à alimentação da criança com TEA foram realizadas na cidade de Valencia (Espanha) durante a II Jornadas Multidisciplinares de los TEA cursos e palestras especializadas no assunto. Mostraremos aqui algumas das conclusões mais importantes deste fantástico curso organizado pela Asociación ATTEM da cidade de Valencia.
O número de transtornos relacionados à alimentação com crianças com  TEA é elevado, muito elevado. Segundo as últimas pesquisas, podemos afirmar que este tipo de transtorno se apresenta em torno de 90% (Kodak & Piazza, 2008) dos meninos e meninas com TEA, desde casos mais graves à transtornos leves. Cerca de  70% dos casos são considerados como hiperseletivos (Twachtman-Reilly, Amaral & Zebrowsky, 2008).
Os quadros aos quais podemos enfrentar são diversos porém, com consequências similares: desde hiper a hipo-sensibilidade; hiper-seletividade, problemas de mastigação; baixo tônus muscular maxifacial; problemas sensoriais; problemas digestivos; estreitamento; diarréia; alterações produzidas pela medicação; ansiedade; intolerâncias e alergias; halitose; aerofagia… sem contar que muitos destes problemas podem aparecer de forma simultânea, ou uns podem ser consequência de outros. Infelizmente, encontramos quadros que afetam diretamente a saúde da criança que apresenta estes transtornos da alimentação, em muitos casos estes transtornos podem acarretar problemas muito sérios que incluam até a internação hospitalar da criança.
O desenvolvimento nas etapas da alimentação de uma criança pode ser esquematizado da seguinte maneira:
  • De 0 a 3 meses de idade: Suga de forma natural ao pegar o peito,  mamadeira ou chupeta. Estende a língua mais além dos lábios.
  • De 3 a 6 meses: Segura a mamadeira com as mãos. Fecha os lábios para selar a boca. Pode tomar semi-sólidos com uma colher. Move a língua dentro e fora sem problemas. Realiza movimentos verticais de mastigação.
  • De 6 a 9 meses: Retira a comida da colher com os lábios. Limpa o lábio inferior com os dentes. Bebe em um copo sem se engasgar. Mastiga alimentos.
  • De 9 a 12 meses: Mastiga alimentos sólidos. Leva alimentos à boca.Bebe de um copo com ajuda. Controla a baba.
  • De 12 a 18 meses: Come só de colher. Bebe no copo sem ajuda.
  • De 28 a 24 meses: Mastiga com movimentos rotatórios. Bebe no copo sem derramar o conteúdo. Come a comida só utilizando a colher derramando algo.
  • De 24 a 36 meses: Toca a comida com um garfo. Termina de descobrir os alimentos.
  • De 36 meses em diante: Utiliza os talheres adequadamente para comer. Ajuda nas tarefas de preparação da comida à mesa.
Esta classificação (apresentada pela especialista em nutrição infantil Lucía Villaba nos mostra as etapas mais comuns que a criança vai passando durante o processo da alimentação, é um cálculo aproximado, porém, nos mostra o que geralmente vai acontecendo com a maioria durante todo o processo, o que quer dizer, que se forem percebidas diferenças significativas, pode ser um sinal de alerta de que algo não está correndo dentro do esperado.
Fonte: autismodiário
Tradução: Denise Eckless
 
Fonte: http://www.reabilitacaocognitiva.org/2013/04/transtornos-da-alimentacao-no-autismo/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=transtornos-da-alimentacao-no-autismo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é defensividade tátil?

Transtorno de modulação sensorial

Disgrafia