Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2013

Dia18 de fevereiro: Dia Intenacional da Síndrome e Asperger

Imagem
A Síndrome de Asperger é uma perturbação neurocomportamental de base genética, pode ser definida como uma perturbação do desenvolvimento que se manifesta por alterações sobretudo na interacção social na comunicação e no comportamento. Embora seja uma disfunção com origem num funcionamento cerebral particular, não existe marcador biológico, pelo que o diagnóstico se baseia num conjunto de critérios comportamentais.

Entre as características mais comuns podemos destacar:
Défice de comportamento social; Interesses limitados; Comportamentos rotineiros; Peculiaridade do discurso e da linguagem; Perturbação na comunicação não verbal; Descoordenação motora.
Como consequência destas dificuldades os portadores de Síndrome de Asperger acabam por se isolar e limitar os seus interesses a determinados temas assuntos, atitude que prejudica ainda mais a sua relação com o outro. O Diagnóstico precoce é essencial para proporcionar aos portadores, os recursos necessários e a que têm dire…

Chupeta: sim ou não??

Imagem
Há quem seja fã, há quem deteste. O fato é que mulheres usam chupetas e bicos há séculos para acalmar bebês. A polêmica em torno do assunto é enorme, até entre profissionais de saúde, e por isso os pais acabam recebendo conselhos contraditórios.

Como surgiram as chupetas? A chupeta surgiu da vontade de dar aos bebês alguma coisa que eles pudessem chupar com segurança -- evoluiu a partir de mordedores para quando os dentes estão nascendo e de chocalhos com pontas arredondadas. Hoje o padrão é elas terem um bico de silicone ou de látex, e uma parte de plástico ou de silicone que fica do lado externo do rosto, além de uma espécie de alça. As chupetas de látex são mais macias e flexíveis que as de silicone, mas não têm a mesma durabilidade. Chupetas modernas são seguras -- são fáceis de esterilizar e a parte externa é projetada para que o bebê não engula o bico nem engasgue.

Há chupetas ortodônticas, projetadas com um formato especial para não prejudicar a formação dos dent…

Campanha de pediatras pede o fim dos andadores

Imagem
Uma espécie de mesa com rodinhas que comporta em seu centro um banquinho infantil, com dois espaços para colocar um par de pernas pequeninas. Os rechonchudos pés tocam o chão e o corpo da criança fica praticamente de pé. Por meio dos andadores, muitos bebês já deram os seus primeiros passos, mas também já sofreram acidentes. Neste mês de janeiro, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) começa a divulgar uma campanha contra os andadores. Isso porque o equipamento seria responsável por diversos casos de acidentes domésticos, inclusive fatais.

O maior problema do andador é a liberdade que ele proporciona e a falsa sensação de segurança que passa. Os pais olham a criança totalmente apoiada pelo suporte do utensílio e pensam que podem diminuir as atenções. A falta de supervisão aliada à facilidade de movimentação proporciona a ocorrência de acidentes, como quedas, choques e ingestões de produtos inadequados. Como o andador tem rodinhas, a movimentação fica muito mai…

Estudo reforça que ácido fólico na gravidez pode reduzir o risco de autismo nos bebês

Imagem
Suplementos da vitamina já são recomendados a gestantes e a mulheres que pretendem engravidar para reduzir o risco de má formação congênitaUm extenso estudo americano concluiu que tomar suplementos de ácido fólico durante a gravidez reduz em até 40% o risco de o bebê ter autismo. Essa vitamina, presente em alimentos como brócolis, tomate, lentilha e também em bebidas como a cerveja, diminui as chances de haver má formação congênita, mas ainda não está claro se a substância protege a criança contra problemas neurológicos. A nova pesquisa, publicada nesta quarta-feira no periódico The Journal of The American Association (JAMA), fornece novas evidências que reforçam tal relação, que já havia sido apontada por trabalhos anteriores. De acordo com os resultados da pesquisa, mães que fizeram uso de suplementos de ácido fólico antes e durante a gestação tiveram filhos com um risco até 40% menor de serem diagnosticados com autismo na infância. Esse benefício foi observado apenas em …