Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2012

Esperar, é o pior tratamento...

Imagem

Dia 14 de junho: Dia Mundial do Doador de Sangue

Imagem
Informações:HEMOMAR Rua 05 de janeiro, s/n - Jordoa - São Luís-MAContatos: (98) 3216-1134  / 0800 280 6565Horário de atendimento: 2ª a 6ª das 8h às 18h - Sábado das 8h às 12h

Estimulação Tátil: tratamento e cuidados ao alcance das mãos

Imagem
http://www.revistaautismo.com.br/edicao-2/estimulac-o-tatil-tratamento-e-cuidados-ao-alcance-das-m-os

Escrito por Márcia Lombo Machado Sáb, 09 de Junho de 2012 11:48
Por Márcia Lombo Machado
Estimulação Tátil é o toque consciente, estruturado, que ativa a pele, nosso maior órgão e receptor fundamental dos sentidos. O conhecimento que alguns terapeutas, educadores e familiares têm dessa técnica no Brasil, foi trazido e vem sendo transmitido pela sueca Yvonne Evborn ao longo dos últimos 12 anos. (ver quadro na versão online).
Conheci Yvonne em julho de 2002, no Congresso Brasil-Suécia, em São José dos Campos-SP. É uma pessoa com profundo conhecimento, bondade nos olhos e grande caráter humanitário. Naquela oportunidade aprendi as técnicas básicas da estimulação tátil que passei a aplicar em meu filho com autismo, então com 6 anos de idade.
Em 03 de abril de 2011, voltamos a nos encontrar em Taubaté-SP, na casa da Dra. Lília Maíse de Jorge, docente e pesquisadora da UN…

Pesquisa comprova benefício da bengala para artrose de joelho

Imagem
Pesquisa realizada na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostrou que o uso de bengala por pacientes com artrose de joelho ajuda a reduzir a dor e o consumo de anti-inflamatórios, além de melhorar a capacidade de locomoção. A recomendação faz parte das diretrizes das principais sociedades médicas do mundo mas, embora existam relatos sobre o uso de bengala desde a antiguidade, nenhum estudo havia investigado, até então, se a prática é realmente benéfica. “Qualquer intervenção médica, seja para diagnóstico ou tratamento, deve ser baseada em evidências científicas. Por isso, delineamos esse estudo seguindo o mais alto padrão de qualidade científica. Foi feito um ensaio controlado, randomizado e com avaliador cego”, contou o médico Jamil Natour, coordenador da pesquisa que teve apoio da FAPESP. Os resultados do estudo realizado com 64 pacientes foram publicados na revista Annals of the Rheumatic Diseases, uma das mais importantes da área de reumatologia, com destaque no…

Projeto “A fada do dente” (Pesquisa Pró- Autistas e suas famílias)

Imagem
Doar é um ato de amor:
A forma mais eficiente de estudar uma doença, alteração, ou qualquer outro distúrbio é entrando em contato direto com ele. Para estudar o autismo, precisamos dos pacientes, pois sem eles, não há o que estudar. Por isso, os pacientes, suas famílias, médicos, políticos e nós cientistas, formamos um time. Sem qualquer um dos componentes do time, o jogo fica muito mais complicado. Existem tantas coisas que ainda não conhecemos sobre o autismo. Recentemente, os cientistas tem confirmado que a contribuição genética do autismo é tão importante quanto variável, ou seja, cada paciente carrega em seu genoma uma nova informação que pode fornecer pistas importantes sobre o autismo. Isso quer dizer que precisamos aprofundar nossos estudos, até encontrar pistas que possam explicar por que pacientes diferentes geneticamente apresentam os sintomas clínicos semelhantes. A resposta está, muito provavelmente, em como a genética afeta as células do cérebro. As células q…

Superação, exemplo e emoção

Problemas??? Dificuldades??? Limitações???
Parece um pouco piegas, mas todos nós temos em alguma esfera de nossa vida. Mas, eu sempre acredito que existe alguém com condições mais delicadas que a nossa e principalmente que conseguem se superar por não se fazerem de vítima e nem se lamentarem optando a inércia ou a "pena" dos outros.

Vejam o video, se emocionem e aproveitem a lição!

"Por favor, não me digam que não podem, porque voc~es podem muito mais." ( Tony Meléndez)

Abraços e uma boa semana a todos!

75% dos portadores de Alzheimer desconhecem a doença

Imagem
Um estudo realizado recentemente por especialistas King's College de Londres e do Karolinska Institutet, da Suécia, a pedido da organização Alzheimer's Disease International, mostra que 75% dos portadores do mal de Alzheimer não sabem que sofrem da doença e que o diagnóstico demora, em média, três anos. E, após a notícia, apenas 20% dos pacientes aderem ao tratamento. Em 2010, um levantamento feito pela Academia Brasileira de Neurologia revelou que a demora no diagnóstico correto e no acesso aos remédios adequados dificulta o tratamento. Apesar de ser uma das doenças mais temidas no processo de envelhecimento, o mal de Alzheimer costuma ser detectado num estágio mais avançado porque os familiares do idoso confundem a perda de memória resultante da demência com a que acontece naturalmente com a idade. A condição afeta 36 milhões de pessoas no mundo e cerca de 1,5 milhão no Brasil. Estima-se que o número de pacientes no mundo dobrará em 20 anos, devido ao envelhec…