COMO INTRODUZIR UM CUIDADOR FORMAL?

Um grande desafio para pessoas com demência e suas famílias é a introdução de um cuidador formal, ou seja, de um profissional especializado em fornecer cuidados.

Essa tarefa torna-se ainda mais difícil quando o cliente não admite suas deficiências no cotidiano ou resiste a tornar concreta a necessidade de supervisão ou contato.

Algumas dicas que podem ser usadas pelos profissionais para ajudar na aproximação e no estabelecimento de vínculo entre o cliente e o cuidador:

1. Realize atividades e exercícios que estimulem a participação do cuidador e a interação entre ele e o cliente;

2. Oriente o cuidador a “aprender” com o cliente. Dependendo a fase da doença, o cliente pode ensinar o cuidador onde ficam no bairro lojas, padarias, igreja e outros pontos relevantes no cotidiano no cliente. É importante estimular o cuidador a perguntar ao cliente, mesmo que ele já saiba a resposta. Isso ajudará o cliente a perceber nas sensações de controle e eficiência;

3. Envolver o cuidador em outras atividades na casa. Isso é importante para evitar que o cuidador torne-se a sombra do cliente quando não é necessário, o que pode levar o cliente a irritação e agressividade (o que não contribui para a formação do vínculo). Além do mais, quando o cuidador está entrando na casa é importante conhecer a rotina da casa e as tarefas que estão indiretamente ligadas aos cuidados com o cliente (alimentação, etc);

4. O cuidador deve estar a par dos interesses do cliente para poder usá-los para a formação do vínculo e estimulação. Conversas com familiares, terapeutas e até pesquisas na internet podem ser estratégias valiosas nesse processo;

5. Ter um tempo na terapia reservado ao cuidador. Esse tempo pode ser importante para tirar dúvidas, esclarecer pontos relacionados a doença ou discutir comportamentos e estratégias. A dinâmica familiar também é um ponto que pode ser discutido nesse momento, uma vez que as famílias podem ter atitudes carinhosas, mas prejudiciais a independência e autonomia do cliente.

O processo de inserir o cuidador e fazê-lo ser aceito pode não ser fácil, sendo assim quanto mais conversas e orientações melhor.

Por Ana Katharina Leite em sexta-feira, 23 julho 2010
http://www.reabilitacaocognitiva.org/2010/07/como-introduzir-um-cuidador-formal/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é defensividade tátil?

Transtorno de modulação sensorial

Disgrafia