O ambiente da velhice no país: por que planejar?* - Artigo na revista Kairós

Visitem o site da revista Kairós Gerontologia, leiam o artigo abaixo sobre o ambiente domiciliar dos idosos, fruto da pesquisa de mestrado, e aproveitem para ler os demais artigos. Abraços virtuais,
Farah Mendes

O ambiente da velhice no país: por que planejar?*

Farah Rejenne Corrêa Mendes
Beltrina Côrte

revista Kairós, São Paulo, 12(1), jan. 2009, pp. 197-212

RESUMO: O processo do envelhecimento é, hoje, objeto de várias pesquisas no mundo. No Brasil, tem deixado de ser apenas uma preocupação da saúde e socioeconômica, tornando-se uma preocupação de várias áreas da ciência pelas necessidades e exigências do mundo que envelhece, considerando-se o meio em que vivem, seja o espaço público ou seu domicílio. Pesquisas demonstram que o ambiente domiciliar agrega valores econômicos, sociais, emocionais, afetivos e de saúde ao longo da vida, e exerce influência na vida dos idosos, no seu bem-estar.
A casa representa o maior bem conquistado ao longo da vida, o que implica o não desejo de mudar, permeado pelo sentimento de conquista, afetividade, bem-estar, privacidade, independência, autonomia e segurança. O artigo traz uma reflexão sobre o ambiente domiciliar e a complexidade que envolve o envelhecimento.
Discute a contribuição para políticas públicas e habitacionais que contemplem os projetos residenciais acessíveis e adaptáveis, considerando as mudanças fisiológicas e funcionais do ser humano, proporcionando ambientes que permitam uma relação harmoniosa em todas as fases da vida, contribuindo para o bem-estar e a permanência do idoso em sua casa, seu espaço afetivo.
Palavras-chave: ambiente domiciliar; casa; idoso; velhice; longevidade; planejar.

* Agradecimentos especiais a Maria do Socorro Oliveira – Terapeuta Ocupacional
(São Luís-MA).

ABSTRACT: The aging process is currently the focus of various studies around the world. In Brazil it is more than just a medical and socioeconomic concern. It is becoming a preoccupation of many additional areas of science due to the needs and demands of the aging population, considering their living environment, be it the public space or their residence.
Studies demonstrate that over the course of a lifetime, the home environment aggregates economic, social, emotional, affective and health values, and exerts a strong influence on the life and well-being of senior citizens. The home represents the most valuable asset acquired over the course of their lives. This implies that they do not want to move, given their feelings of achievement, affectivity, well-being, privacy, independence, autonomy and security. The article brings a reflection regarding the home environment and the complexity involving aging. It discusses the contribution for public and housing policies which consider accessible and adaptable residential projects, taking into account the human beings’ physiological and functional changes, building environments that allow a harmonious relationship in all phases of life, and contributing to the well-being and ability of senior citizens to stay permanently in their homes, their emotional space.
Keywords: home environment; home; older adults; old age; longevity; planning.

Introdução: o ambiente da velhice no país
[...] dentro do ser, no ser de dentro, há um calor que acolhe o ser que o envolve. O ser reina numa espécie de paraíso terrestre da matéria, fundido na doçura de uma matéria adequada. Parece que nesse paraíso material, o ser está impregnado de uma substância que o nutre, está repleto de todos os bens essenciais... a casa sustenta a infância imóvel em seus braços.

Referências
CARLI, S. M. M. P. (2004). Habitação adaptável ao idoso: um método para projetos residenciais. Tese de Doutorado em Arquitetura. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. São Paulo, USP.
CUNHA, A.G. (2001). Dicionário Etimológico: Nova Fronteira da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.
DAMÁSIO, A.R. (1996). O erro de Descartes. São Paulo, Companhia das Letras.
FERREIRA, A. B. H. (2000). Mini Aurélio: o minidicionário da língua portuguesa, séc. XXI. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.
FOX, P. L. (1995). Environmental modifications in the homes of elderly Canadians with disabilities. Disabil Rehabil, v. 17, n. 1, pp. 43-49.
HASSELKUS, B. R. (1998). “Discapacidad funcional em ancianos”. In: HOPKINS, H. L. e SMITH, H. D. Terapia Ocupacional. Espanha, Panamericana.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2002). Perfil dos Idosos responsáveis pelos domicílios no Brasil. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2006.
IWARSSON, S. e ISACSSON, A. (1997). Quality of life in the elderly population: an example exploring interrelationships among subjective well-being, ADL dependence, and housing accessibility. Arch. Gerontol. Geriatr., n. 26, pp. 71-83.
LICHT, F. B. (2004). Visitabilidade: a acessibilidade ampliada. Publicação em 21 abr. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2006.
LICHT, F. B. e PRADO, A. R. A. (2002). Idosos, cidade e moradia: acolhimento ou confinamento? Kairós, v. 5, n. 2, pp. 67-80.
MENDES, F. R.C. (2005a). Capacidade funcional e acessibilidade do ambiente domiciliar de idosos atendidos em um programa de assistência domiciliária ao idoso. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2006.
(2005b). Da infância à velhice: é necessário planejar o ambiente. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2006.
MERCADANTE, E. F. (2005). “Velhice: uma questão complexa”. In: CORTE, B.; MERCADANTE, E. F. e ARCURI, I. Velhice, envelhecimento, complex(idade). São Paulo, Vetor.
NERI, A.L. (2001). Palavras-chave em Gerontologia. Campinas, Alínea.
PAVARINI, S. C. I. e NERI, A. L. (2000). “Compreendendo dependência, independência e autonomia no contexto domiciliar: conceitos, atitudes e comportamentos”. In: DUARTE, Y. A. O. e DIOGO, M. J. D.’E. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo, Atheneu.
PERRACINI, M. (2002). “Planejamento e adaptação do ambiente para pessoas idosas”. In: FREITAS, E.V. de et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan.
(2006). “Planejamento e adaptação do ambiente para pessoas idosas”. In: FREITAS, E.V. de et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan.
RYBCZYNSKI, W. (2002). Casa: pequena história de uma idéia. Rio de Janeiro, Record.
IWARSSON, S. e ISACSSON, A. (1997). Quality of life in the elderly population: an example exploring interrelationships among subjective well-being, ADL dependence, and housing accessibility. Arch. Gerontol. Geriatr., n. 26, pp. 71-83.
LICHT, F. B. (2004). Visitabilidade: a acessibilidade ampliada. Publicação em 21 abr. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2006.
LICHT, F. B. e PRADO, A. R. A. (2002). Idosos, cidade e moradia: acolhimento ou confinamento? Kairós, v. 5, n. 2, pp. 67-80.
MENDES, F. R.C. (2005a). Capacidade funcional e acessibilidade do ambiente domiciliar de idosos atendidos em um programa de assistência domiciliária ao idoso. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2006. (2005b).
Da infância à velhice: é necessário planejar o ambiente. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2006.
MERCADANTE, E. F. (2005). “Velhice: uma questão complexa”. In: CORTE, B.; MERCADANTE, E. F. e ARCURI, I. Velhice, envelhecimento, complex(idade). São Paulo, Vetor.
NERI, A.L. (2001). Palavras-chave em Gerontologia. Campinas, Alínea.
PAVARINI, S. C. I. e NERI, A. L. (2000). “Compreendendo dependência, independência e autonomia no contexto domiciliar: conceitos, atitudes e comportamentos”. In: DUARTE, Y. A. O. e DIOGO, M. J. D.’E. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo, Atheneu.
PERRACINI, M. (2002). “Planejamento e adaptação do ambiente para pessoas idosas”. In: FREITAS, E.V. de et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan.
(2006). “Planejamento e adaptação do ambiente para pessoas idosas”. In: FREITAS, E.V. de et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan.
RYBCZYNSKI, W. (2002). Casa: pequena história de uma idéia. Rio de Janeiro, Record.
SCHMID, A.L. (2005). A idéia de conforto: reflexões sobre o ambiente construído. Curitiba, Pacto Ambiental.
TUAN, YI-FU.(1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo, Difel. (1983). Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo, Difel.

Data de recebimento: 13/10/2008; Data de aceite: 20/1/2009.
Farah Rejenne Corrêa Mendes – Terapeuta ocupacional, especialista em Gerontologia, especialista em Terapia da mão, Mestre em Gerontologia. Terapeuta ocupacional da clínica Cuidare realizando atendimentos em consultório e domiciliar em São Luís, Maranhão. Docente do Instituto Laboro/Estácio de Sá do curso de Saúde do Idoso, Enfermagem do Trabalho e Saúde Ocupacional. Terapeuta ocupacional do grupo de aposentados e pensionistas da Assefaz. Coordenadora e docente do curso de extensão oferecido pela Cuidare – A arte de cuidar e envelhecer bem, Maranhão. E-mail: farahrejenne@yahoo.com.br
Beltrina Côrte – Jornalista, doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/ USP. Presidente do Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento – OLHE e coordenadora executiva do website Portal do Envelhecimento. E-mail: beltrina@uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é defensividade tátil?

Transtorno de modulação sensorial

Disgrafia